domingo, 18 de janeiro de 2015

E chove, chove, chove

Há umas horas que chove sem parar.
O meu avô diz que é necessário que a água entranhe na terra uns quantos metros para servir de alguma coisa às árvores. Ontem repetiu-me isto várias vezes. Ele foi muito pormenorizado mas não vale a pena entrar aqui em detalhe.
Hoje, enquanto jantava, espetava o garfo nas cenourinhas bonitas mas que não sabiam a cenoura e dizia-me: - Estão tenrinhas mas nem as deixam fazer-se! Na minha altura, aquilo é que eram cenouras!
Agora é tudo muito diferente. Antigamente, certas coisas eram muito melhores. Só se devia mudar o que não presta. Mas o progresso e a globalização dá-nos a volta e enrola-nos como as ondas.

Hoje alguém dizia ao meu avô que deviam ir comer uns belos de uns caracóis com um copinho de vinho. Comentei que ainda faltavam uns meses para o tempo deles. Responderam-me que estes caracóis eram especiais. Senti-me um bocado a mais na conversa. Não era para mim. Era entre eles. Sorri e calei-me.
Já aprendi que existem os Grandes e depois existem os que estão à sombra dos grandes e que nem aos calcanhares lhes chegam. E tomara que se aceitem porque nem todos nasceram para ser Grandes.

Pois e chove, chove, chove. E continuo cheia de frio. Ontem quase que se me congelaram os olhos.
Agora, chove. E eu só penso no calor de que se queixa a minha amiga do outro lado do Atlântico.
Calor bom que aquece a alma.

Agora, chove. E se continuar assim, vai entrar os tais metros terra adentro de que fala o meu avô para que as árvores se façam.
E depois a água sobe e pode ser que lave a porcaria toda. Tudo o que não presta. Isto digo eu que tenho uma vida muito engraçada. Que conheço gente muito boa mas também conheço gente que parece boa mas é a maior bosta que pode haver. Postos na terra para adubar, matariam tudo o que lá fosse plantado.

Agora, chove e eu acabei de lavar um pouco a alma.
Com o caraças! Falta muito para o Verão?



segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Nem tudo o que luz é ouro... mas às vezes...

Sou pessoa de difícil trato quando chega a hora de me fotografarem. Se não me aperceber é garantido que a foto fica boa mas se tenho de fazer pose, é um ai jesus porque a feição de natural não tem nada!
Aqui há dias, insistiamos porque sim que tinhamos de conseguir uma foto jeitosa. Jeitosa!!! Pois, tá bem...
Inúmeras tentativas e numa... unicamente uma... o meu olhar ganhou vida e toda a minha a cara se iluminou. O que fiz? Eu? Nada! Mas naquele momento passava na televisão uma reportagem sobre um determinado modelo da Mercedes...

Vá, sou fútil mas há prazeres e prazeres... e se me fotografarem num dia de Verão dentro de água, seja ela salgada ou doce... ou a comer amoras... ou a fazer festas no focinho de um cavalo... consegue-se também uma foto excelente... a felicidade também se encontra nas coisas mais simples.

domingo, 11 de janeiro de 2015

Confirmar que tinha razão em determinada situação, é uma grandessíssima MER**!

De coração cheio

Tem dias que passe o tempo que passar são sempre celebrados com a mesma intensidade.
Hoje é um desses dias.
Os milagres acontecem e há pessoas que vêm a este mundo para nos encher o coração.
E vinte anos passados, sabemos que nos saímos bem e estamos todos de parabéns.
- Parabéns, Biscoito!

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

sábado, 3 de janeiro de 2015

Vinho tinto Monte Velho

Ora aqui está um chão que já deu uvas!

No jantar do último dia do ano, houve quem trouxesse umas garrafas de tinto Monte Velho, produção de 2013. Houve logo quem tentasse convencer a pessoa a ir trocar as garrafas mas a pessoa quis provar a porcaria que comprou. E todos os que beberam concordaram: aguado. Falta-lhe o belo corpo que teve em tempos.

Recadinho para os senhores que o produzem (quem gosta de vinho sabe bem quem eles são): - Vão pastar palha para Abrantes, sim?

FRIO. FRIO. FRIO.

Até o ar que se respira em casa faz doer entre-olhos.
Querem lá ver que terei de dar o braço a torcer e encher a casa de aparelhos de ar condicionado?